Translate

domingo, setembro 07, 2014

Decadência do futebol italiano

Por: Raphael Pessanha

É verdade que Internazionale de Milão(2009/2010) e Milan(2002/2003 e 2006/2007) fazem presença como campeões da Liga dos Campeões da Europa após os anos 2000 pela Itália. Mas todos nós sentimos falta da época de ouro do futebol italiano.

    Anos 80/90 que encheram os olhos dos amantes do futebol. Os clubes montavam excelentes times com inúmeros craques do futebol mundial e ficavam um longo período como potências dentro do "País da Bota" e da Europa.

    A Roma de 1980-1984 com seu tricampeonato da Copa da Itália 79/80, 80/81 e 83/84, Italiano de 82/83 e o vice da Liga dos Campeões da UEFA de 83/84(título que ficou com o Liverpool dentro do Olímpico de Roma) tiveram excelentes zagueiros como Pietro Vierchowod, Aldo Maldega e Santarini, o baixinho porém mortal Bruno Conti na ponta esquerda e um meio de campo inesquecível que contou neste período com  Agostino Di Bartolomei, Prohaska, Toninho Cerezo, Carlo Ancelotti e o Rei de Roma Falcão, os torcedores romanistas reverenciam esta esquadra até hoje.

    A Juventus 1980-1986 foi um verdadeiro papa títulos que encantou a todos nos anos 80. Campeã do Mundial Interclubes 85, Campeã da Liga dos Campeões da UEFA 84/85, Campeã da Supercopa da UEFA 84, Campeã da Recopa Europeia 83/84, Tetracampeã Italiana 80/81, 81/82, 83/84 e 85/86 e Campeã da Copa da Itália 82/83. Uma super campeã que tinha super jogadores nesse período vitorioso. São alguns deles:  Zoff e Tacconi; Gentile, Scirea e Cabrini; Bonini, Tardelli, Boniek, Paolo Rossi, Michael Laudrup e o maestro da orquestra Michel Platini.

    Nem só de clubes ricos e equipes primorosas viveu a Serie A dos anos 80/90. Entre 1981 e 1987 o Hellas Verona montou uma equipe que não tinha um futebol tão vistoso, mas era muito competitivo e culminou com o título italiano de 84/85. O time contava com um ferrolho na zaga e bons jogadores na parte ofensiva como os italianos Pietro Fanna, Giuseppe Galderisi e Di Gennaro, o polivalente jogador alemão Briegel e o excelente dinamarquês Elkjaer.

    De 1986 a 1990 foi a vez do Napoli ser um dos protagonistas do futebol italiano e mundial. Conduzido e capitaneado por Diego Armando Maradona, o Napoli conquistou a Copa da UEFA 88/89, o bicampeonato  Italiano 86/87 e 89/90), a Copa da Itália 86/87 e a Supercopa da Itália 90. Os torcedores napolitanos presenciaram verdadeiros espetáculos no estádio San Paolo com o trio de ouro ma-gi-ca(Maradona, Giordano e Careca), o argentino inclusive tem a camisa de número 10 aposentada e eternizada no clube.

    Milan 1987-1990 foi uma equipe que conquistou a Europa e o mundo! Bicampeão do Mundial Interclubes 89 e 90, Bicampeão da Liga dos Campeões da UEFA 88/89 e 89/90, Bicampeão da Supercopa da UEFA 89 e 90, Campeão Italiano 87/88 e Campeão da Supercopa da Itália 89. Este Milan era uma equipe rápida, técnica e mortal que contava com os conhecidos italianos Maldini, Baresi, Costacurta, Carlo Ancelotti, Donadoni e o fortíssimo trio holandês Rijkaard, Gullit e Van Basten.

    Internazionale de Milão 1988-1991 obteve poucos títulos, porém com brilho e Bon futebol, são eles: Copa da UEFA 90/91, Campeonato Italiano 88/89 e Supercopa da Itália 89. O técnico super vitorioso Giovanni Trapattoni contou com os excepcionais Zenga, Bergomi, Berti, Díaz e Serena, além do magnífico trio alemão Andreas Brehme, Lothar Matthäus e Jürgen Klinsmann(campeões com a seleção alemã da Copa do Mundo de 1990).

   A Sampdoria 1988-1992 ganhou a Recopa Europeia 89/90, o Campeonato Italiano 90/91, a Copa da Itália 87/88 e 88/89 e a Supercopa da Itália 91 com um time equilibrado e talentoso. Os jogadores de destaque eram Pagliuca, Lanna, Vierchowod, Cerezo, Lombardo, Katanec, Dossena, Vialli e Roberto Mancini.

    Parma 1991-1995 foi uma equipe que teve um forte investimento da Parmalat, empresa italiana do ramo de lacticínios, que investiu forte no futebol e teve seu retorno com os títulos da Recopa da UEFA 92/93, a Copa da UEFA 94/95, a Supercopa da UEFA 94 e a Copa da Itália 91/92. Os jogadores de destaque daquela equipe foram Marco Ballotta, Taffarel, Antonio Benarrivo, Fernando Couto, Georges Grün, Dino Baggio Sensini, Gianfranco Zola, Alessandro Melli, Faustino Asprilla e Thomas Brolin.

   O Milan de 1991-1995 ainda com o trio holandês, fez história ao conquistar o campeonato italiano 91/92 de forma invicta e ganhando o apelido de Os Invencíveis. Títulos não faltaram a essa geração milanista, são eles a Liga dos Campeões da UEFA 93/94, a Supercopa da UEFA 94, o Campeonato Italiano 91/92, 92/93 e 93/94 e a Supercopa da Itália 92, 93 e 94. Foram inúmeros jogadores notáveis e eternos, ; Maldini, Baresi, Costacurta, Albertini, Rijkaard, Donadoni, Desailly, Ruud Gullit, Simone, Boban, Marco van Basten, Savicevic, Papin e Massaro.

    A poderosa Juventus voltou a assombrar a Itália e o mundo no período de 1994-1998 quando foi Campeã Mundial Interclubes em 1996, Campeã da Liga dos Campeões da UEFA em 95/96, Campeã da Supercopa da UEFA em 96, Tricampeã Italiana em 94/95, 96/97 e 97/98, Campeã da Copa da Itália em 94/95 e Bicampeã da Supercopa da Itália em 95 e 97. O período também foi muito rico em jogadores, quando participaram Peruzzi, Paolo Montero, Vierchowod, Iuliano, Di Livio, Deschamps, Paulo Sousa, Edgar Davids, Conte, Jugovic,  Zidane, Del Piero, Ravanelli, Vialli, Inzaghi entre outros dessa fase vitoriosa do time de Turim.

    O Parma 1998-1999 se reformulou e montou uma esquadra forte com
Buffon, Thuram, Benarrivo, Sensini, Cannavaro, Vanoli, Apolloni, Boghossian, Dino Baggio, Diego Fuser, Stefano Fiore, Verón, Ortega, Chiesa, Balbo e Crespo que conquistaram a Copa da UEFA 98/99, a Copa da Itália 98/99 e a Supercopa da Itália 99.

    Fechando essas duas décadas de ouro da Itália, a celeste da capital italiana, Lazio,conquistou a Recopa da UEFA 98/99, a Supercopa da UEFA 99, o Campeonato Italiano 99/00, a Copa da Itália 97/98 e 99/00 e a Supercopa da Itália 1998 e 2000 com excelentes jogadores como Marchegiani, Peruzzi, Nesta, Mihajlovic, Fernando Couto, Stankovic, Jugovic, Sérgio Conceição, Almeyda, Simeone, Roberto Mancini, Verón, Nedved, Salas, Claudio Lopez, Boksic, Vieri, Simone Inzaghi e Crespo, além do sueco  Sven-Göran Eriksson no comando desse time que encantou a Itália e a Europa.

    Nos últimos anos o futebol italiano caiu de produção, escândalos de arbitragem, há não contratação de craques, estádios vazios em muitos jogos e violência entre torcidas, são alguns dos fatores para a decadência deste campeonato que já viveu momentos inesquecíveis e maravilhosos em outrora e hoje luta para se reerguer e recuperar a sua imensa importância no quadro do futebol europeu e mundial. Força Calcio!