Translate

quinta-feira, julho 03, 2014

"Consumidor e turista bem tratado no Brasil nos deixa muito felizes" conta a secretária Juliana Pereira.

Fernanda Félix
Rio de Janeiro

Segundo Secretária, houveram poucas reclamações
dos preços abusivos em hotéis(Foto: Aurea Lúcia)
O Ministério da Justiça e outros órgãos ligados à proteção do consumidor lançaram na terça (27/6), o Guia para o consumidor Turista e o Centro Integrado de Proteção ao Consumidor na Copa do Mundo.
Nesta tarde de quarta (02) este foi o assunto abordado pela Secretária Nacional do Consumidor, Juliana Pereira.

A maior atenção foram em hotéis, bares, restaurantes, sempre visitando as cidades-sedes para acompanhar desde o desembarque dos turistas, sendo criado uma integração virtual entre o ambiente federal e local, buscando orientar os consumidores, como o acesso a ingressos e a fiscalização.

 - De questões simples até as mais complexas - afirmou a Secretária.

O serviço em regime diferenciado vai atuar nas 12 cidades-sede e vai envolver ministérios e órgãos que integram o Comitê Técnico do Consumo e Turismo, além de Procons, secretarias  de turismo e representantes do mercado.

Novo serviço público permite ao consumidor reclamar pela internet, esta plataforma permitirá que o consumidor se manifeste, a empresa responda (tendo 10 dias para responder), o consumidor avalie e todos monitorem. 

Reforçou a informação de que em caso de defesa do consumidor procurar o PROCON e após o órgão regulador local, para solucionar a demanda, como no caso da agência de viagens da Colômbia (Tesoro Tours), que deixou turista colombianos sem as reservas de hotéis confirmadas, em Mato Grosso do Sul, fazendo acionar primeiramente a FIFA. Que está pagando todas as estádias destes turistas.

 - Quando a empresa é estrangeira a nossa função é mitigar qualquer problema da agência internacional - constatou a ministra.
 Experiências serão compartilhadas com a
Rússia na Copa de 2018(Foto: Aurea Lucia)

Quais foram as principais queixas dos consumidores Brasileiros e Estrangeiros?

Juliana Pereira: O balanço total com os números, ainda não foi consolidado, pois espera-se o término do evento, portanto não se possui dados concretos, mas o que já se tem indicam que os registros de reclamações são muito pequenos. 

O Centro Integrado funcionou muito bem na Copa, esse tipo de experiência pode ser levado para outros eventos, grandes eventos como o Carnaval, em que é necessário uma solução rápida, com movimentação grande de turistas, pode ser copiado e mantido?

JP: É um legado da copa, seguramente isso será aproveitado como legado. Mesmo a Copa sendo uma comoção Nacional, e o carnaval mais local, mas será sim aproveitado na segurança e saúde dos consumidores. Não para o turista mas para o consumidor em modo geral.