Translate

segunda-feira, junho 24, 2013

Jérome Valcke garante: "Não temos Plano B"

Uma coletiva foi convocada para esta segunda-feira, no Maracanã e nela estavam representando a FIFA, o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, o CEO do Comitê Organizador Local (COL), Ricardo Trade, e o secretário executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes. O Ministro do Esporte Aldo Rebelo também estava presente na mesa, mas sua presença não estava na programa inicial. Antes de qualquer pergunta o diretor de comunicação da Fifa, Walter de Gregório pediu para que as perguntas dos jornalistas não abordassem os protestos no Brasil.
"A situação é difícil  Se não dissermos nada, somos criticados. Se fizermos comentários, podemos ser acusados de interferência. Aceitamos a democracia de protestos, mas não é nossa postura falar sobre isso. Então por favor aceitem isso. Disse Walter de Gregório aos jornalistas pedindo para não haver perguntas sobre os protestos"
A coletiva começou com a exibição de um vídeo com os melhores momentos da 1º fase da Copa das Confederações, após a exibição Jérome Valcke, teve a palavra e de início falou da ótima média de gols e ainda brincou com a seleção do Taiti.

Temos 58 gols no torneio. Obrigado, Taiti. Mesmo sem o Taiti, a média de gols é muito boa. Além disso, os quatro semifinalistas são campeões mundiais. Isso é muito importante.
Com algumas informações técnicas Jerome Valcke foi passando aos jornalistas o que foi essa fase em números, como por exemplo: Foram 58 gols no torneio, 26 milhões de expectadores para Brasil x México, além de 6 mil empregos gerados. O ministro Aldo Rebello respondeu perguntas sobre a atuação do ministério do Esporte nesta Copa das Confederações e ainda respondeu sobre valores supostamente desviados da educação e saúde para construção de estádios.

O orçamento do Esporte é apenas 1% do orçamento da Saúde para 2013. R$ 477 bilhões é o orçamento de saúde e educação de 2007 e 2013. Então não há nenhum recurso desviado de educação e saúde para a construção de estádios. Eles vêm de empréstimos ou de governos estaduais que em alguns casos são proprietários dos estádios

As perguntas foram abertas aos jornalistas e logo de início uma pergunta sobre segurança.

 O que a Fifa está fazendo é o suficiente para o Brasil?
Jérome Valcke: Sempre é possível fazer mais. Estamos trabalhando em muitas coisas. Estamos aqui para dar mais informações sobre o que tem sido feito. Temos feito muitas coisas boas e temos muitos programas engatilhados para todas as competições.

Uma das perguntas feitas para Jérome Valcke falava sobre a possibilidade da FIFA ter um plano b e a Copa não ser mais realizada aqui, o Secretário Geral da FIFA foi incisivo em sua resposta:
Repito novamente, a Copa do Mundo será no Brasil e não tem plano B. Não recebemos ofertas de outros países para sediar 2014.